Making Of - O Espírito da Noite

Making of é um espaço para apresentar curiosidades sobre como meus romances foram desenvolvidos. 

Se você não leu o livro, gostaria de sugerir que leia antes do Making of.

Sou Alex Bitten, escrevo por que acredito em meus romances.

O INÍCIO

O Espírito da Noite foi o primeiro livro que publiquei. Tudo começou quando as histórias, que desde a adolescência povoavam a minha mente, começaram a aumentar, e não deixavam em paz. Um dia, confessando o que estava acontecendo com Regina, minha tia e professora de história, ela olhou para mim e perguntou:

- Se elas não saem da tua mente, porque não escreves? 

Fiquei incomodado com sua reflexão e decidi escrever uma para ver se acalmava a minha mente.  

Escrevi  o primeiro livro com dezesseis anos usando uma máquina de escrever, o título é  O Guardião, uma espécie de Star Wars ambientada na Terra.  

Minha tia estava certa,  minha mente se acalmou quando comecei a escrever. Mas ao mesmo tempo eu estava completamente enganado, porque as histórias aumentaram,  por isso eu nunca mais consegui parar de escrever.

A história narra as aventuras de um jovem oficial brasileiro em uma expedição para encontrar uma caverna de diamantes no coração do recém-criado Império do Brasil. Uma história sobre honra, amizade e  patriotismo.

Pesquisei informações sobre as batalhas pela independência, na FUNAI,  sobre a tribo de índios Goyá, e lendas que povoavam nossas matas e enriquecem o nosso folclore. Um dos meus objetivos como escritor é escrever sobre fatos históricos do nosso país.

Foi dessas pesquisas que criei a lenda do Espírito da Noite, uma criatura impiedosa que reina na floresta, e enfrentá-la será necessário para encontrar a caverna de diamantes.

O ENREDO

Escolhi esta aventura por várias razões:  Não há quebra de linearidade de tempo, há um núcleo  narrativo, protagonistas construídos com identidade única, a exceção seria Damião, o misterioso guia, que é oficial português, e que lutou nas guerras napoleônicas. 

Desde o início fica estabelecido o motivo da história, o a busca de uma expedição para encontrar uma caverna de diamantes e evitar o empréstimo de dois milhões de libras esterlinas da Inglaterra. A fortuna será entregue para que Portugal reconheça que a independência do Brasil.

Desenvolvi elementos para enriquecer a trama, como a expedição inglesa, formada por veteranos das guerras napoleônicas, liderados pelo experiente Capitão Willian, que se apaixona por Fernanda, a esposa do Tenente Antônio. O oficial inglês formará uma aliança sórdida com nobre Dom Miguel para causar o fracasso da expedição brasileira.

Somente um homem poderá levar a expedição brasileira até a caverna, um guia chamado Damião, um homem experiente, que conhece os perigos da floresta e será um temível oponente para combater a expedição inglesa. 

 PROTAGONISTAS

O Tenente Antônio é jovem oficial brasileiro apaixonado por Fernanda. Recém-casado, ele partirá junto com a missão para encontrar a caverna de diamantes. Seu patriotismo é comparado a sua ingenuidade, que irá perdendo com o desenvolvimento da Trama.

Fernanda é a esposa do tenente Antônio, e despertará uma grande paixão no Capitão Willian, que fará tudo para destruir o tenente Antônio e conquistar o seu amor. 

O Capitão Willian é um vilão de características clássicas,  oficial veterano das batalhas das guerras napoleônicas, é inteligente e cruel na mesma proporção. A caverna é o seu grande prêmio, mas a morte do tenente Antônio deixará um caminho livre para o coração de Fernanda.

Damião é o guia experiente, convocado por José Bonifácio, decide ajudar a expedição. Criei um personagem forte, com um passado misterioso e que irá desempenhar um papel crucial ao longo da trama.

Criei um elemento com perspectivas sobrenaturais, uma criatura da floresta, que ataca e apavora a tribo de índios guerreiros Goyá. 

TÉCNICAS USADAS

Escrevi a história numa velocidade cadenciada pela época que ela passa, alterando partes de ação, como a caçada ao Espírito da Noite e as batalhas entre a expedição brasileira e a inglesa.

Como é uma história de aventura sem quebras de linearidade de tempo, não há grandes reviravoltas na trama, a emoção ficará por conta das aventuras dos personagens e dos conflitos que a narrativa irá proporcionar.

Acredito que a história encanta por ser simples,  emocionante e com personagens cativantes. Foram estas as técnicas que usei para escrevê-la.

CURIOSIDADES

A Capa - A capa do livro era um pouco amadora, foi projetada para apresentar o Espírito da Noite. Quando foi criada a identidade visual do escritor Alex Bitten, ela foi modificada, e ficou bem mais bonita.

 

 

 

O Título - Imaginei alguns títulos para a história, "A Misteriosa Caverna" , "Coragem e Glória", mas assim que encontrei O Espírito da Noite, todos os outros foram abandonados.

Trilha Sonora - Todas as minhas histórias tem uma trilha sonora, e com O Espírito da Noite não foi diferente. Escolhi a trilha sonora do filme O Último dos Moicanos, de Trevor Jones. As músicas me fizeram viajar pelas florestas durante as madrugadas que escrevi as aventuras do  tenente Antônio.

O Clímax - Acredito que a luta do tenente Antônio com o Espírito da Noite e a batalha das expedições brasileira e inglesa são para mim os pontos cruciais da história.

A morte do tenente Antônio é trágica, mas sempre fez parte do contexto de não escrever um final do mocinho encontrando a mocinha num por do sol, mas a realidade de uma aventura perigosa.

 

Para me redimir do final em que a jovem Fernanda fica sozinha para criar seu filho, no livro O Navio Fantasma, escrevi um final feliz para os protagonistas.

O FUTURO

Há uma outra História , que narra as aventuras de Damião como oficial português nas guerras napoleônicas e que explicará seu ódio mortal pelo capitão Willian.

Um dia irei escrevê-la.